O QUÊ VOCÊ PROCURA?

EXAGERADAMENTE POP! http://www.qualagrandeideia.com/

Mostrando postagens com marcador The Ting Tings. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador The Ting Tings. Mostrar todas as postagens

04 dezembro 2015

QAGI? PLAYLIST: 26 músicas pop/eletrônicas inspiradas no Reggae!

Por em 4.12.15

Se o mundo da música já vinha, ano após ano, fundindo ritmos para sair da mesmice e gerar novos sons e experiências, em 2015 isso se concretizou de vez e está cada vez mais dificil dizer o que é pop, electro, disco, dub, ou qualquer outro gênero eletrônico. Ritmos até fora do eixo tecno da música acabam entrando e incrementando sons incríveis que lançm tendências e marcaram o ano de 2015.

A música está cada vez mais misturada, plural, multicultural. Mas, sem dúvidas, um dos ritmos mais experimentados, assim como já foi, um dia, o funk, é o Reggae, onde tivemos esse ano até Madonna se arriscando por esse compasso!

Assim, separamos 26 Reggae Pop Songz da música pop/eletrônica que usam o Reggae ou seus relacionados, como o Ska, percussor do Reggae, como base.




Não vejo forma melhor de dar partida a essa postagem, se não com Tove Styrke, dona de um dos, se não O, melhores álbum de 2015, o elogiadíssimo Kiddo.

Direto da Suécia, em 2014, Styrke lançou o EP Borderline, que, entre outras faixas que estariam no álbum de estreia, lançado esse ano, continha a maravilhosa faixa "Borderline" de sonoridade típica da atual era da cantora, um pop orgânico e pesado, com pegada Reggae muitíssimo bem explorada.

Dona de um dos melhores álbuns de 2015 e sem dúvida de uma das melhores músicas dos últimos anos!



Ah, ainda no Kiddo, também temos outra faixa que engana fazendo você achar que ela vai ser reggaezão daqueles, mas só acaba por usar o ritmo na faixa como base bem sutil:





E então vem Madonna e sua "Unapologetic Bitch", da série "Quem ama, ama. Quem odeia, odeia real.". Enquanto alguns acham a produção da Rainha do Pop inovadora, ousada e tendenciosa, outros acham a música do álbum Rebel Heart, mais recente da Madge, por demais genérica.

Bem, nós também podemos opinar e achamos a faixa uma delícia. Com produção do Diplo, badalado produtor que tá bombando não só com seu próprio nome, mas nos projetos Major Lazer e Jack Ü, a música tem o reggae como base trabalhado no jeitinho Diplo de fazer música.

Quem não curtiu vai deixar de lado, mas pra quem curtir é vício na certa.





Nesse contexto, um fato: não de hoje, M.I.A. e Diplo, já, uma vez, grandes amigos e até amantes, vem descobrindo e prevendo, ou até mesmo o ditando, os caminhos  que o mundo da música irá seguir.

Em seu histórico, M.I.A. tem não só uma, ou duas, mas várias músicas que podem ser consideradas, claramente, reggae, ou influenciadas pelo ritmo. O mesmo para Diplo, que explorou o Reggae não só em projetos solo, mas em de seus grupos e com seus amigos. A verdade é que o Crew das Tendências ama o Reggae. Nele, que acabamos de criar, temos M.I.A., Diplo, Skrillex (da Dupla Jack Ü, com o Diplo), Major Lazer (grupo aonde Diplo é integrante e fundador), The Partysquad (que já trabalhou com todo mundo) e por aí vai...

"Paper Planes":



"It Takes a Muscle":



"Double Bubble Trouble (Prod. The Partysquad)":



"Original Don (Major Lazer & The Partysquad)":



"The Highest Grade":



"Sound Of Siren (Feat. Busy Signal & M.I.A.)":



"Lost (Feat. MØ), cover do Frank Ocean":



"Blaze Up The Fire":



"Get Free (ft. Amber of the Dirty Projectors)":



"First of The Eyer (Equinox)":



"Bangarang":






Mas não é só entre o Crew das Tendências que o Reggae ganha força. O ritmo já conseguiu converter até rapper em reggaeiro, fazendo-o mudar o próprio nome artístico para lançar um álbum todo reggae! Estamos falando de Snoop Dogg Lion:





É, dava pra colocar o álbum todo do cara aqui, mas vamos a frente, pois tem MUITA música boa por aí inspirada no velho e gostoso Reggae, do pop divístico ao alternativo:

















Curtiu? Acha que faltou alguma música? Bom, fizemos umas playlist lá no Spotify e iremos atualizá-la sempre que alguma dica surgir ou lembrarmos de outra faixa!

Qual a Grande Ideia? QAGI? www.qualagrandeideia.com www.qualagrande.blogspot.com.br

17 outubro 2014

The Ting Tings divulga vídeo para "Do It Again", segundo single do novo álbum!

Por em 17.10.14

Com o novo e terceiro álbum de estúdio Super Critical vazado há semanas, e com lançamento só dia 27 desse mês, o The Ting Tings segue a divulgação do mesmo, como se nada tivesse acontecido, com o novo single, mais uma vez disco, nova atrasada aposta do duo, "Do It Again", que ganhou clipe novo recentemente.

Na vibe  gostosa da música, Katie e Jules mostram a produção de um clipe e em cortes e sobreposições, cenas já editadas, o clipe pronto. Como um 
 dentro de um clipe, o vídeo dirigido por Andrew Daff ainda parece pobre em produção, mas convence mais que o lead-single "Wrongclub"!

04 junho 2014

The Ting Tings voltou e apostando na supreendente (pro que eles já fizeram) "Wrong Club"!

Por em 4.6.14


Aí que num susto o The Ting Tings voltou e com o come back que só reforça o que já era quase certo, o duo de new wave, pop, pop rock e agora disco (?) está perdido (vide os estilos por quais já passaram) e parece não saber mais pra onde correr uma vez que a fantástica essência do primeiro e maravilhoso álbum se foi.

A crítica nunca foi com a cara de Jules e White, mas o público em geral concorda: We Started Nothing tem muitas músicas marcantes (se não todas, para a maioria) e dançantes. Sounds From Nowheresville, aquela coisa, convence aqui e alí, tem pontos altos incríveis, mas, um fato, mostra um enfraquecimento. E o novo álbum, ainda sem nome, é uma icognita e isso se explica, conhecendo o histórico fonográfico da dupla, apenas com o novo single, "Wrong Club":



Tá confuso, tá temporalmente atrasada e, mesmo que o disco seja bacana, na produção não é sequer bem acabado, como o de "Uptight Downtown", do La Roux, lançada recentemente. Se intenção a ser ouvida foi realmente a divulgada acima, começo a desconfiar do gosto do duo.

E uma última coisa: a voz da Katie White! 

Só aguardando pra ver se teremos coisas melhores no futuro terceiro álbum do The Ting Tings, por que potencial pra surpreender não falta, mas, creio, a faixa acima não é um caminho legal e muito menos seguro a se seguir. Uma pena.

23 novembro 2013

Quando o Rock influenciando o Pop vai muito bem!

Por em 23.11.13

A globalização está mesclando tudo e já não é mais possível de diferenciar, generalizar ou enquadrar um artista, banda em um gênero musical.

Pop, eletrônico... Dubstep, rock... Nem mainstream e alternativo se diferem mais, uma vez que o meio comercial se aproprio das ideias malucas, estranhas e encantadoras do mundo musical alternativo, cada vez mais procurado por um publico saturado da mesmice forofística - basta olhar o crescente número de artista alternativos encabeçando o topo dos charts nos últimos anos.

Parabéns Lorde, felicitações Gotye. Mas o assunto aqui, agora, não será o seu mundinho alternativo e sim o bom e velho Pop Rock (ou o contrário, no caso), uma mistura que dá certo não de hoje e já se confunde há tempos, antes das multigenarilização da música. 

Confira abaixo algumas músicas de cantores/bandas pop que se apropriaram do gênero/estilo rockeiro e, bem, acertaram muito!

http://www.newsgab.com/attachments/celebrity-pictures/45066d1172402488-britney-spears-shaved-head-green-umbrella-going-crazy-britney_spears_05.jpg

Britney Spears não só se fez de rocker, como viveu o rock, com toda sua intensidade e estilo. Sentiu na pele, na vida, em todos os sentidos, e conseguiu deixar um clássico ainda mais clássico, chegando a "classicar" um clássico 2 clássicas vezes (sim!).

Da primeira vez em 2002, com o single "I Love Rock 'N' Roll", original de Joan Jett, para o álbum Britney e o filme Crossroads:



E depois, em propaganda da Pepsi, com dois nomes de peso na época e ainda mais hoje em dia (também divas do pop inspiradas, uma mais e outra principalmente em suas turnês que não dispensam solos de guitarra, pelo rock) P!nk e Beyoncé:




Falando em P!nk, vamos á P!nk - a incógnita. A cantora conhecida por seu estilo essencialmente roqueiro, mas de músicas alegrinhas como "Stupid Girls" e "Get The Party Started", sempre misturou rock e pop como poucos conseguiram fazer, criando uma identidade própria que a marcou e consagrou.

Só que, mesmo com uma pegada pop indiscutível, é difícil achar uma música da cantora, que não as baladas românticas, sem a agressividade de baixos e guitarras. Podemos listar vários exemplos (como "Trouble", "U + Ur Hand", "So What"...), mas minha preferida mesmo é "It's All Your Fault", que ilustra MUITO bem essa diversidade/estilo memoroso da cantora. Break, pop, R&B, sei lá, acho que um pouco de cada estilo, não se pode determinar ao certo, mas tem rock é claro e nessa música, nossa... é muito bom!



P!nk consegue deixa o rock, cada vez mais esquecido, agradável, viciante e vendível. Quase todas as suas músicas são um ótimo exemplo.

http://celestonews.com/wp-content/uploads/2012/08/Avril.jpgSeguindo a linha P!nk, só que mais perdida e atualmente quase que totalmente baldeada ao pop e entregue a indústria, as músicas de Avril Lavigne, já gothic princess e patricinha, sempre tiveram um quê de rock, mas as faixas com essa pegada da cantora dispensam apresentações, a moda agora é farofar gostoso, então vamo que vamo:



Assim, amarrando os pontos, bem, acho que todos sabem, ou deduzem que o dubstep, ritmo em alta atualmente e usando em "Hello Kitty" da Avril, deriva do rock - digamos que o dubstep é um rock remix.

E entrando numa vibe mais alternativa... Tem coisa mais rocker, louca e pauleira que Skrillex, um dos melhores, e gênio, do gênero?


De alternê para alternê, The Tings Tings surpreendeu a todos no ano passado. Com críticas bem negativas aos seus álbum por grandes sites especializados, o duo pop teve em contra partida grande aceitação do público e com hits imperiosamente pop do primeiro álbum, com batuques, tambores e riffs alegrinhos, como "Great DJ", "That's Not My Name" e "Shut and Let Me Go", e no segundo, para tentar corrigir o que a crítica alternativa desprezou no primeiro, entraram com força no rock e agregaram esse genêro a suas faixas e visual.

O segundo álbum do The Ting Tings, Sounds From Nowheresville, é agressivo, rocker e me agradou em sua nova proposta underground - mas continuou desagradando a crítica, Pitchfork, por exemplo, deu 1 (UM) para o álbum rs.

"Give It Back" é a faixa que melhor representa o último trabalho do duo e essa nova proposta, digamos, \,,/, rs



http://static4.businessinsider.com/image/523c71b76bb3f7247f8d4db4/the-nfl-is-suing-rapper-mia-for-her-superbowl-middle-finger-and-she-is-having-none-of-it.jpg
Uma artista que sempre teve  MUITOS motivos pra ser rockeira foi M.I.A., agressiva por natureza e revoltada com a nossa sociedade descriminatória e capitalista, a cantora que se confirmou com umas das mais interessantes artistas do século com suas batidas e influências hindu-africanas resolveu no mais irreverente de seus álbuns, já pelo nome, o /\/\/\Y/\, fugir um pouco do orientalismo e focar na crítica, pesada, diga-se de passagem, a industria da música, governo, internet, sexo e sociedade.

No MAYA (/\/\/\Y/\) seu terceiro álbum de estúdio, M.I.A. apostou no rock e acertou com "Meds and Feds" e "Born Free", surpreendentes, pela cantora nunca ter feito nada parecido antes, e bastante impactantes:

Meds and Feds


Born Free



Essa, também louca e irreverente por obra de Deus, ou do papi, cof cof, mas não tão revoltada com os problemas do mundo circundante (rs), sempre foi influenciada pelo rock e aplicou isso e sua paixão pelo estilo não só em sua música, sendo o rock pouco marcante no inicio de sua carreira, mas também em seu "estilo de vida" e visual.

Tendo seu nome artístico vindo de uma música do Queen, um dos maiores ícones do rock, Gaga vem gradativamente aumentando a participação desse estilo em sua músicas.

Vários exemplos podem ser citados, rock está intrínseco nas musicas de Gaga até não tão explicitamente, mas de marcante, pra mim, vejo "You and I", "Bad Kids" e mais recentemente a maravilhosa "MANiCURE" e "Mary Jane Holland":

MANiCURE


Mary Jane Holland


Pra fechar, a rainha do pop provando que também manda bem no rock, o que não é surpresa e seria  absurdo se não arrasasse, pois com todos esses anos vividos, na música, Madonna conheceu muito rockeiro e adquiriu bagagem suficiente para transformar um rap pop (feat. Nicki Minaj) em rock na MDNA Tour, "I Don't Give A":



E vocês, lembra de mais alguns exemplos do pop no rock?

30 janeiro 2012

O The Ting Tings prefere vomitar-se a fazer música como David Guetta. Um tapa na minha cara, polêmica pra sociedade musical.

Por em 30.1.12

Não que eu seja preso a conceitos que funcionaram muitíssimo bem, ou talvez seja, mas o The Ting Tings brilhou a quase cegar com o primeiro álbum, o We Started Nothing e mesmo sem a intenção de bombar nas rádios (ganhar dinheiro com as hipsters), eles deram super certo, porque são ótimos. Eu só queria ver isso acontecer pra sempre.

Dai, depois da última declaração da dupla, tudo começa a fazer sentido e tudo que eu falei perde um pouco do seu. "Hands", intenção incial do grupo para 1º single do segundo álbum, não era uma tentativa de ser comercial e dominar as rádios e sim uma boa ideia que fugiu aos ideais do duo inglês. Katie White e Jules De Martino contaram algumas coisas para o  jornal britânico The Guardian:

"Preferimos escrever canções que ninguém vai ouvir do que escrever faixas dance que se encaixam na rádio depois de David Guetta. Prefiro vomitar nos meus próprios pés do que isso", desabafou White.
"Seria tão fácil fazer algo como no último álbum, lançar na rádio e ter um hit pobre. Não queremos fazer isso", complementou Jules.

E depois de acordar pra vida, me vejo muito mais apaixonado por eles e pela 6 faixas que prestam do novo álbum (comentado aqui). Confira o vídeo do carro-chefe do Sounds From Nowheresville e informações da vinda deles ao Brasil abaixo:



Em abril os ingleses estão de volta a terra tupiniquenhas para apresentações no Circo Voador, Rio de Janeiro, dia 30 de abril e no primeiro dia de maio no Cine Joia, São Paulo.

[Vi no Pop Line]

26 janeiro 2012

[REVIEW] The Ting Tings - Sounds From Nowheresville

Por em 26.1.12

Sound From Nowheresville é o segundo álbum do duo que se consagrou com new wave do bons e conseguiu tornar todos os singles do primeiro álbum, We Started Nothing, sucessos alternativos! Quem não lembra do som deles fazendo ponta até em novela da Globo?! "Great Dj", "We Walk", "That's Not My Name" e uma das melhores, mais famosas e minha preferida, "Shut It Up and Let Me Go" (com um dos clipes mais lindos de sempre), marcaram o cenário off-mainstream.



Depois de tudo isso, sumiram e voltaram no ano passado enchendo a gente de espectativas. Era álbum novo pra lá, álbum novo pra cá, produção  por gente do meio "holofotado", gravações em 1001 lugares diferentes e excêntricos... PAH! Saiu o primeiro single do segundo álbum! "Hands" era realmente muito boa, mais electro, grudenta, arriscada e ainda com a pegada new wave, mas não deu certo, a música fracassou.


O The Ting Tings passou mais 1 ano sumido, só que dessa vez, diferente dos outros sumiços, sem avisos e satisfação alguma á mídia e fãs. Ficou óbvio, com as 2341235 trocas de nome do álbum e tempo parado, que o duo estava em crise. Criaram um conceito industrial demais, viram que iam fracassar, fracassaram e aliado a isso ainda tinha a falta de material.

Tiveram que repensar tudo, do comecinho, do zero. Dai nasceu o novo The Ting Tings que se mostrava ao mundo ao som de "Hang It Up", carro chefe do novo álbum, agora que "Hands" havia sido descartada do novo conceito mais punk.



O novo álbum só será lançado dia 27 de fevereiro, mas suas 10 faixas apareceram e eu já ouvi. Mesmo com toda dificuldade imposta pelo FBI o Sounds From Nowheresville já está no meu computador e você confere o que eu achei de cada faixa abaixo!

Legenda / Quantidade de faixas em cada categoria:
 R  - Ruim / 3 faixas de 10
 M  - Médio / 1 faixas de 10
 B - Bom / 6 faixas de 10


 R  1. Silence

"Silence" é um silêncio no espaço, sério. Sabe a música que não tem nada a ver com o resto do álbum? Se era pra reformular tudo e meter essas batidinhas mortas e o electro encubado de "Silence", que "Hands" estivesse no lugar dela.  A música funciona muito bem como introdução, mas tem o tamanho de uma música normal e dessa forma não dá. Cansativa, chata e sem conexão nenhuma com o álbum.

 B  2. Hit Me Down Sonny

Música ótima! Vai toda nessa vibe atual de usar arranjos natalinos e batidas tamborísticas típicas de fanfarras, o que remete a líderes de torcida, colegial e toda essa atmosfera gostosíssima! O desfecho tem um solo musical com muita batida, freneticidade e uma repetição de "Like This" dividindo as trocas de instrumentos incrível!

 B  3. Hang It Up

Não falei muito bem dessa música aqui no blog logo quando foi lançada, nas primeiras execuções. Mas daquele tempo pra cá uma coisa não mudou: ela não é o tipo de música que eu ouviria por gostar, sozinha na playlist do player. Ouço incansável com o resto do álbum só pra não quebrar a harmonia com a faixa anterior e sucessora. Ela é "OK", dá pra psicodélizar, tem batidas fortes e marcadas, define exatamente essa ótima virada, que demorei pra aceitar, sofrida pelo TTT.

B  4. Give It Back

Já começa com uma característica muito percebida nesse álbum. Jules De Martino tá mais presente com seus vocais e lindeza do que no álbum anterior. Enquanto o debut do Jules e White se limitava a batidas fortes e backgrounds sonoros tímidos, esse novo álbum abusa dos dois de forma bastante agressiva.

 M  5. Guggenheim

Cinema antigo, Marilyn Monroe, Cabaret e batidas sujas expostas sem anúncio aqui e alí! A ideia é ótima e as tais "batidas não anunciadas" são incríveis. A música só não se tornam perfeita pelo mal aproveitamento da ótima sonoridade criada com a mistura de bateria e instrumentos metálicos que só aparecem pra dar aquele susto entre um instrumental repetitivo e chato que acompanha uma letra cantanda as pausas pela vocalista, o que angustia bastante meu ser quando essa faixa tá tocando.

 B  6. Soul Killing

Minha preferida e a de muitos pelo que andei lendo. Essa faixa me lembra The Sweet Scape da Gwen Stefani, verão e amigos bêbados por uma estrada a beira da praia preste a matar um monte de gente. Mas eles estão loucos demais pra se preocupar com isso, então eles riem, dançam, cantam "Soul Killing" e entronam mais umas garrafas de cerveja. Aqui as batidas são bem tropicais e puxam um pouco ao jazz e soul, até a voz da White tá nessa vibe, um tanto inrreconhecível até.

 B  7. One By One

Minha segunda preferida e um dos meus maiores problemas em relação a esse álbum também. Vamos esperar pela versão deluxe, mas se baseando apenas da versão normal... Porque uma música como "One By One" entra na tracklist e "Hands" não? Fica a dúvida e uma música bastante enigmática, no lugar certo, fazendo par perfeito com a anterior, quebrando o gelo do "punk instrumental demais", sendo linda.

 B  8. Day To Day

Vamos respirar que as duas anteriores quase nos mataram. Vamos fazer os meigos, os camponeses antenados, os românticos. Vamos acompanhar essa melódia doce, clichê e nos sentir com se estivéssimos em um dia-a-dia monótono, mas muito delicioso!

 R  9. Help

Conheço isso por fim de álbum, não como penúltima faixa. Desnecessária  é apelido.

 R  10. In My Life

O faroeste baixou aqui. Fim de filme com muita tristeza e sangue. Violão chorando, violinos intensos e uma arpa marcada acompanha uma White cansada, frágil... Porra, beleza que era pra acabar o álbum, mas precisava ser nessa fossa?

21 novembro 2011

The Ting Tings - Silence (Bag Raiders Remix)

Por em 21.11.11

The Ting Tings vai mesmo investir pesado em vários vídeos para divulgar o seu novo álbum, que já se chamou Massage Kunst, Kunst etc. e agora se chama Sounds From Nowheresville, pelo menos é o que informa o Teco Apple. Até agora eles não tem dado pausas muito grandes entre os vídeos razoáveis que vem sendo divulgados, como vocês podem conferir aqui, na tag deles no blog.

A música do novo vídeo do grupo, para o álbum que deve chegar as lojas no primeiro semestre do próximo ano, se chama "Silence" e na produção não foi usada em sua versão original, mas um remix do Bag Raiders. O som não segue o estilo dos últimos lançamentos do duo, pelo menos até o minuto 1:40 quando um Safari Disco Club plus Icona Pop, batidão e delicioso, entra e toma conta. Eu não tava com a menor vontade do vídeo e da música, mas quando ela começa a contagiar, vídeo e melodia trabalham juntos pra te prender vidrado na tela do computador!

Primeiro que logo no início das batidas legais da música começam a aparecem várias meninas gritando em slow motion, loucas e sem emissão de nenhum tipo de ruído, para praticar bullying com a vocalista do The Ting Tings, White, que é xingada, empurrada, esbofeteada e ao mesmo tempo que faz propaganda da Adidas, se desvencilha da líder das garotas que estão atacando a ela, mas não tem jeito, perde a luta, fica estressadinha e desconta em Jules.

A direção foi feita pelo duo em parceria com Dan Gable e isso nos rendeu muitas cenas lindas, entre elas, as não citadas acima, quando Jules também sofre bullying e todo o processo que antecede as partes agressivas do vídeo, cheios de stop motion, efeitos de filme de terror e uma fotografia que ajuda muito a formar uma atmosfera bastante tensa no clipe encerrado com muito boxe.




[Vi no Teco Apple]

17 novembro 2011

The Ting Tings, Adele e Beyoncé ao vivo!

Por em 17.11.11

Muitos cantores e bandas como The Ting Tings, Adele e Beyoncé estão usando suas performances ao vivo para divulgar coisas óbvias como um DVD e até, no caso do The Ting Tings, um single, o que não deixa de ser avalancado com esses vídeo por Beyoncé e "Adélia" também.

Recentemente o The Ting Tings lançou o segundo single do novo álbum, que eu prefiro não dizer o nome porque existem 21124314 diferente. "Hang It up", foi tão comentada quando o primeiro e flopado single "Hands", ou seja: muito. Mas parece que vai ser flop again se eles não começarem a investir pesado nesse álbum, com clipes, teasers, photoshoots para revistas, topos das paradas e coisas do tipo.

Enquanto não temos tudo isso, o duo britânico disponibilizou em seu canal no YouTube a performance ao vivo de "Hang It Up" na cidade de Paris! Então, por ser um vídeo oficial, não vá esperando por qualidade ruim, ou mal gravada, é tudo no formato de clipe, tá bem editado, mesclado e lindo.





Adele que fez recentemente um cirurgia na garganta ~trava~ já está se recuperando e diz que tudo correu bem, lançou o clipe do seu 3º single "Set Fire To The Rain", sim o 3º deveria ser "Rumour Has It", mas mudaram e talvez essa tenha sido a melhor escolha, guardar o mais agitado pra depois, ou não.

O novo clipe da cantora é uma apresentação com o The Royal Albert Hall lotado, 8 mil pessoas, cantando e emocionando para o DVD Adele: Live at The Royal Albert Hall, que será lançado dia 29 desse mês. É clipe e promoção de DVD, confere que pra fazer trabalho duplo tem que ser muito bom, e é.





E por último, Beyoncé, que infelizmente não continuou desenfreada a lançar clipes para todas as músicas do seu álbum 4. A cantora, que também lançará DVD esse mês, Live at Roseland, dia 21, soltou 2 vídeos para divulgar seu novo single e o DVD, "End Of Time" e "I Was Here".

Não há confirmações de se o vídeo ao vivo de "End Of Time" é apenas pra divulgação do DVD ou se é clipe oficial da música, mas há rumores de que Beyoncé ainda irá gravar um clipe para ela. O vídeo é uma mistura de várias apresentações, tem vídeo da/na 4 Intimates Nights (os shows de promoção do 4), Promo Tour na França e Glastonbury, o festival. Confira "End Of Time" e "I Was Here" abaixo:






18 outubro 2011

The Ting Tings voltou! Confira "Hang It Up"!

Por em 18.10.11

Mais de 1 ano se passou desde de que a música "Hands" foi lançada. Ela deveria marcar a volta do duo alternativo a música, mas não funcionou. The Ting Tings nunca se encaixou muito bem nessa categoria da música, eles são mainstream e "Hands" afundou os dois no mundo cheio de milhares de bandas dos hipsters. Os 2 foram puxados pra esse lado da história, mas as batidas divertidas e populares do We Started Nothing não faziam parte daquele contexto desconhecido. Sei lá, é talento demais pra pouco reconhecimento e isso fez com que Katie White e Jules De Martino achassem que o caminho era aquele guiado por "Hands", mas...

Vieram carregados ano passado, e como eu já falei, afundaram. Sumiram pra pensar na vida e organizar as ideias e voltaram sem nenhum aviso prévio com a pra lá, bem longe, de comercial "Hang It Up"! A música trás as batidas inconfundíveis e sintetizadas do Jules para o We Started Nothing e melhor que isso trás o Jules cantando, mais do que de costume. White continua a mesma e o The Ting Tings conta com a ajuda do clipe da música pra ilustrar a nova fase synth pop-punk.

Segundo o duo, o clipe, cheio de tombos "skatísticos" e farofada conceitual, traz inspirações do Brasil. Não as percebi, mas quando vi os dois integrantes um a frente do outro com espadas e kimonos para pratica de artes marciais, esperei uma segunda versão de "Shut And Let Me Go".




O segundo álbum do The Ting Tings, Kunst (nome que apareceu na época do primeiro retorno, mas ainda sem confirmações), não tem data certa para ser lançado, de certeza apenas que será em janeiro do ano que vem. Gostei do novo retorno, a música não faz feio em relação aos singles do debut e talvez o fato de estar esperando com muita ansiedade isso possa ter contribuído pra o prazer que senti com a música. Então pra suprir as necessidades, nesses próximos 3 meses de espera, confere mais 2 faixas que foram tocadas ao vivo no DC Festival em Madrid, "Silence", que já teve o clipe gravado, e "Hit Me Down Sonny":

15 outubro 2010

The Ting Tings - We Are Not The Same

Por em 15.10.10
Realmente o "The Ting Tings" não é mais o mesmo, igualmente bom e diferente, mas as ideias iniciais do grupo, aquela coisa afro cheia de tambores e batidas deram lugar a um tipo de música mais eletrônica para que fosse feito um "Pop Seguro", eu não fiquei muito feliz com isso já que acho o "We Started Nothing" perfeito, me surpreenda "Massage Kunst" :/


Eles ficam repetindo que não são mais os mesmos durante quase toda a música, o que angústia muito por que você não consegue encontrar um "x" no novo grupo, "Hands" surpreendeu pelo fato de ser totalmente diferente que eles já tinham feito, "Jules" até mudou a cor do cabelo para o novo grupo e... Ai ai, não tem muito o que fazer, é só esperar e vê no que deu o trabalho com o Jay-Z...

Lá pro dia 30 do mês passado, foi divulgado um vídeo, um "teaser” do que parece ser o novo clipe do grupo diassss depois do vazamento de "Hands" quando eles sumiram. Confira o vídeo e a música que apareceu completa a alguns dias:


E você pode fazer o download da música aqui!

05 setembro 2010

The Ting Tings - Hands

Por em 5.9.10
EU PRECISO DESSE CLIPE EM HD! Poxa! A espera acabou e valeu muito a pena viu?! Novo clipe do The Ting Tings e primeiro single do segundo e mais novo álbum do grupo intitulado "Kunst", confira o clipe:


Tá muito electro, muito diferente da forma que eles se apresentaram pro mundo, cadê os tambores? Cadê as batidas contagiantes como as de "That's Not My Name"? Enfim, mudanças são necessárias, mas eu não esperava mudanças tão drásticas, adorei, mas... Sinto falta do que o TTT já foi, até o clipe tá diferente, mas esse tá muito foda.

A bateria solta faísca, muitas copias da vocalista "White", muito "Chroma Key", engrenagem, operários e uma característica dos clipes da dupla continuou, o fundo de uma única cor com ele parados! E o Jules tá loiro, certo? o_o' Não importa, tá fantástico.

Nota: Lâmpadas 

[Vi no Dataclipe]

14 julho 2010

The Ting Tings!

Por em 14.7.10

Katie White e Jules De Martino (que agora está loiro u.u) são os integrantes do grupo "The Ting Tings", dispensa apresentações, que bombou em 2008, mas que eu so conheci no meio de 2009 e desde então minha admiração pelo grupo so cresceu! As batidas fortes, os clipes simples carregados de criatividade e o estilo dos integrantes contagia a qualquer um.

Desde o brilhante "‘We Started Nothing" de 2008 que os fãs esperam por novidades do grupo, que começaram a aparecer agora, primeiro que o álbum já esta pronto e logo vaza e agora uma apresentação do grupo no "Wireless Festival", onde eles apresentaram o primeiro single, "Hands", do segundo álbum intitulado de  "Massage Kunst", confira:


No vídeo podemos conferir a música nova que parece ser ótima (vou garantir isso pra vocês quando ouvir ela limpa e finalizada, ok?)  e também podemos ter uma ideia de como será o clipe da música (ou não), mas não é so isso, eles também deram uma entrevista antes da apresentação, confira:


Agora é so esperar que mais notícias boas sobre o grupo viram!

WEEK TOP POST!

Todas as imagens publicadas nesse site são retiradas da internet. Caso você tenha direito sobre alguma delas e queira que essa seja devidamente creditada ou, até mesmo, excluída, entre em contato para pronta operação. Programação e Design por Roberto Júnior.